O que é a Artroscopia?
Dr. Lafayette Azevedo Lage

Artroscopia é um procedimento cirúrgico ortopédico que médicos utilizam para visualizar, diagnosticar e tratar problemas em uma articulação. Desde que esta técnica surgiu nos anos 70, centenas de milhares de pacientes a escolheram ao invés de outros tipos de cirurgia porque a cicatriz é menor, o período de internação é mais breve e a recuperação mais rápida.

A palavra artroscopia deriva-se de duas palavras gregas, ''arthro'' (articulação) e ''skopein'' (olhar). O termo literalmente significa ''olhar dentro de uma articulação''. Em uma artroscopia faz-se uma pequena incisão na pele do paciente, por onde se insere o artroscópio, que é do formato de um lápis, possui lentes minúsculas e um sistema de iluminação que amplia as estruturas do interior da articulação.

Este pequeno instrumento varia de 0.25 a 0.64 cm de diâmetro. A luz propaga-se através de cabos de fibras óticas até a ponta do artroscópio que é inserido na articulação. Usando uma combinação de câmera e tela de TV em miniatura, cirurgiões podem ver o interior da articulação. A câmera de TV ligada ao artroscópio mostra a imagem da articulação na tela da TV.

A imagem ampliada na tela permite a observação direta da articulação, determinar a extensão da lesão e depois executar a cirurgia específica, se for necessário.

Quando é necessária a artroscopia?

Para se diagnosticar lesões ou doenças nas articulações inicia-se com um completo histórico médico e exame físico e, às vezes, exames subsidiários como a ressonância nuclear magnética (RNM), que é de alta fidedignidade para patologias do joelho e ombro; porém, no quadril ainda temos um alto índice de falso negativo, isto é, o laudo da RNM do quadril muitas vezes relata um quadril com nenhuma ou poucas alterações, quando na realidade o mesmo tem muitas alterações importantes, passíveis de tratamento (ou não) pela artroscopia.

Portanto, para se ter um diagnóstico definitivo a artroscopia pode ser necessária por quê ela proporciona a visão direta e precisa dos ossos afetados e das "partes moles" (ligamentos e cartilagens).

Com o artroscópio é possível ver mais precisamente a articulação do que mesmo através de uma grande incisão durante uma operação (pela magnificação da imagem). Além disso, as regiões que são difíceis de visualizar ao raio-X, podem ser vistas na artroscopia.

Uma articulação geralmente contém um tecido denso, tipo almofadado, chamado cartilagem e tecidos conjuntivos do tipo fibroso, denominados ligamentos. A cartilagem e os ligamentos revestem os ossos e estabilizam a articulação para que ela se mova facilmente e sem dor. Uma estabilidade adicional e a habilidade para controlar os movimentos são dadas pelos tendões e músculos, que estão ligados aos ossos nas articulações.

Doenças e lesões podem danificar ossos, cartilagens, ligamentos, músculos e tendões. Alguns dos mais freqüentes casos encontrados durante a artroscopia são:

  • cartilagem anormal ou rompida
  • ligamentos rompidos
  • fragmentos de osso ou cartilagem
  • superfícies da articulação danificadas
  • inflamação no revestimento da articulação, ossos desalinhados (como a rótula)

Apesar de se poder visualizar o interior da maioria das articulações, apenas seis delas são examinadas freqüentemente pela artroscopia. O joelho é o mais examinado. As outras são: ombro, cotovelo, calcanhar, quadril e pulso. Com os avanços que são obtidos por engenheiros eletrônicos e as novas técnicas desenvolvidas por ortopedistas, no futuro outras articulações poderão ser examinadas e tratadas com o auxílio da artroscopia.

Como é realizada a Artroscopia?

A artroscopia para diagnóstico requer a utilização de uma sala de cirurgia ou um ambulatório. Antes da cirurgia o(a) paciente é anestesiado(a) - a anestesia poderá ser geral, local ou raquidiana. A pele que circunda a articulação afetada é esterilizada. Uma solução estéril é injetada na articulação a fim de expandí-la, dando espaço para a inserção do artroscópio.

Faz-se uma incisão na pele (do tamanho aproximado de uma casa de botão) e insere o artroscópio. Se for necessário observar uma área extensa, são realizadas diversas incisões, movendo o artroscópio de uma incisão para a outra.

Um instrumento cirúrgico é utilizado para alcançar diversas partes dentro da articulação, determinando a extensão das lesões. Se a cirurgia for indicada, ela é feita de modo similar ao da artroscopia. Durante a cirurgia, vê-se a articulação na tela da TV.

Após a cirurgia, as pequenas incisões são fechadas e vedadas com gaze. O(a) paciente é removido(a) para uma sala de recuperação. Nos locais das incisões aplica-se sacos de gelo, para reduzir o inchaço e medica-se com analgésicos, para diminuir a dor.

O(a) paciente aprenderá a cuidar das incisões, quais atividades deverá evitar e que exercícios deverá fazer para auxiliar na sua recuperação. Na visita de acompanhamento o(a) médico(a) examinará as incisões para verificar se estão com bom aspecto, sendo fundamental comparecer nas datas marcadas de retorno para evitar complicações como, por exemplo, a infecção, que apesar de rara pode ocorrer também e, portanto, todo cuidado nunca é demais.

Dr. Lafayette Azevedo Lage
Ortopedista especializado em artroscopia, cirurgia do quadril e medicina desportiva. Parte de sua formação acadêmica foi desenvolvida em Cambridge, Inglaterra, e na UCLA (University of California at Los Angeles), nos Estados Unidos. Mestrado em Artroscopia do Quadril em 1995 pelo Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.
Site: www.clinicalage.com.br


E-mail: luciananobile@brevesdesaude.com.br
Copyright (c) 2005 - Todos os direitos reservados. Fotos ilustrativas.